Utilizar o celular na hora de dormir pode tirar o seu sono

Dormir bem e em quantidade suficiente é imprescindível para se ter boa saúde física e mental. Dormir pouco, ou mal, pode ter um efeito devastador no organismo. A relação entre privação de sono e doenças como diabetes, obesidade e, o evidente enfraquecimento do sistema imunológico, já está bem estabelecida.

O “relógio biológico” é controlado pela exposição a luz. Ao final do dia, o corpo começa a liberar melatonina, um hormônio que naturalmente induz ao sono. Com a invenção da luz elétrica, o homem passou a ficar cada vez mais tempo acordado, desregulando assim parte do ritmo biológico e afetando consequentemente a própria saúde.

Os sensores da retina ao serem expostos à luz artificial bloqueiam a liberação da melatonina. Muita gente aproveita o período da noite para acessar tablets, smartphones e laptops. Não raras vezes esses dispositivos são acessados na cama, enquanto a pessoa teoricamente se prepara para dormir e, em alguns casos, já está deitada e com a luz do quarto apagada. Segundo Charles Czeisler, da Faculdade de Medicina de Harvard, usar esses dispositivos a noite pode prejudicar o sono.

Segundo Czeisler, a luz que ilumina a tela de dispositivos móveis é rica em radiação do tipo azul, que interfere muito mais no ritmo biológico do que as lâmpadas incandescentes, por exemplo. Esse tipo de radiação age o organismo retardando a indução natural do sono. Exatamente por esse motivo, é comum a pessoa ficar acordada até de madrugada lendo notícias, respondendo e-mails, atualizando as redes sociais ou teclando com os amigos. O sono simplesmente não vem e quando a pessoa percebe, já são 2 ou 3 horas da manhã. Por isso, se você já tem alguma dificuldade para “pegar no sono”, evite manusear telas no período que antecede o sono, a fim de não agravar o problema. Seu “dia seguinte” e sua saúde agradecem!

 

katia-assinatura

Comentários:

Um comentário

Escreva uma resposta ou comentário:

ARQUIVO

FIQUE DE OLHO

Cerca de 30% dos recém-nascidos com menos de três meses de vida experimentaram açúcar e mais da metade dos bebês com menos de um ano tomam refrigerante com frequência, segundo pesquisa da Unifesp. Consequência: um terço das crianças no mundo está acima do peso ou é obesa. E crianças obesas na faixa dos 10 anos já tem artérias tão envelhecidas quanto as de adultos de 45.

Subir